terça-feira, 15 de novembro de 2011

BIOGRAFIA GENIVAL FERREIRA DE MIRANDA


Genival Ferreira de Miranda é o nome do quarto filho de Francisca Ferreira de Miranda e José Ferreira de Miranda, nasceu no dia 16 de outubro de 1968, na maternidade João Daudt de Oliveira - Bairro Jd. Paulista-SP, sob o signo de Libra, na cidade de São Paulo (Capital), no estado de São Paulo. Seus avós paternos: Domingos Rodrigues de Miranda e Dona Eulina Ferreira de Miranda, avós maternos: Manoel Joaquim Paes e Dona Ana Rosa Dias.
Em 1968 há exatos 40 anos o mundo passava por um dos momentos mais importantes do século XX. A globalização começava a mostrar sua face e o planeta entrou em colapso diante de conflitos entre diversas nações, gerando um princípio de revolução, que veio do povo.
Maio de 1968 uma greve geral aconteceu na França. Rapidamente adquiriu significado e proporções revolucionárias, mas logo em seguida foi desencorajada pelo Partido Comunista Francês. Alguns filósofos e historiadores afirmaram que essa rebelião foi o acontecimento revolucionário mais importante do século XX, porque não se deveu a uma camada restrita da população, como trabalhadores ou minorias, mas a uma insurreição popular que superou barreiras étnicas, culturais, faixa etária e de classe.
A resposta da população aos rígidos governos, sejam eles de direita ou de esquerda, foi um episódio fundamental para a história contemporânea que deve ser compreendido para que possamos entender a atual realidade do planeta.


Quando Genival nasceu a família residia no Parque Edu Chaves, um bairro da Cidade de São Paulo. Situado à margem do Rio Cabuçu de Cima, da Rodovia Fernão Dias e faz divisa com o municipio de Guarulhos.

Genival Miranda com 1 ano de idade

No ano de 1973 a família mudou-se para o bairro Jardim Moreira no municipio de Guarulhos-SP, quando já tinha 5 anos de idade e lá viveu a sua infância, era uma época que a brincadeiras e travessuras era muito diferentes dos dias de hoje, brincava-se com bola de capotão,  atiradeiras (estilingue) e o carinho de rolimã elegiam os verdadeiros herois.


No mesmo ano (1973), Genival  recebeu o batismo ao 9º dia do mês de setembro na BASÍLICA DE NOSSA SENHORA APARECIDA - Arcebispado de Aparecida , através do qual morremos e renascemos em Cristo, é oferta generosa da aceitação de Deus. A água aponta para essa dupla realidade do batismo: água mata, afoga, destrói e também lava, refresca e dá vida. A criança foi autorizada pela Paróquia Nossa Senhora dos Prazeres, localizada no bairro da Parada Iglesa - São Paulo, autorização sedida pelo pároco Julio Martins Serra, os padrinhos foram; Clemildo R. dos Santos e Zildene Maria dos Santos. 
Batismo, porém, é água e Palavra de Deus. É nessa combinação de água e Palavra em presença da comunidade que crê que o batismo realiza a transformação maravilhosa: nos torna filhas/os de Deus.
Mas batismo não é mágica. Batismo é início de uma caminhada! Lutero alertava que o "velho Adão", "velha Eva", nossa vontade de contrariar a Deus, não se deixa "afogar" facilmente na água do batismo. Ele/a nada muito bem, dizia Lutero. Por isso, o nascer, o surgir do "novo Adão", da "nova Eva", de um novo ser humano em nós, deve ser uma busca permanente.
Portanto, "Vida cristã outra coisa não é que diário batismo" (Lutero). É, portanto, uma atitude de permanente PENITÊNCIA: um refletir diário sobre nossa vida a partir do Evangelho de Jesus Cristo e essa reflexão precisa caminhar para a prática. Assim, concluía Lutero, se vivemos na penitência vivemos no batismo e, se vivemos no batismo, nossa vida é uma contínua penitência. E onde há vida verdadeira pelo batismo, aí há também salvação (Mc 16.16).
Ao mesmo tempo que ordena o batismo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo (Mt 28.19-20), Jesus afirma que é preciso "ensinar a guardar todas as coisas". Ao sermos batizados somos integrados na comunidade cristã. Na comunidade aprendemos a "guardar todas as coisas" que interessam para a vida de fé. Na comunidade recebemos forças, ânimo e somos amparados e encorajados nessa difícil travessia que é o batismo.

Em 1976, Genival ingressa à escola no 1º ano primário com 7 anos completos na ESCOLA ESTADUAL DE 1º GRAU PROFº MARIA ROSA BROTA , localizada na Rua Quatro, nº 20 - JD MOREIRA - 1º Del. de Ensino - DRE - 4º Norte - Guarulhos -São Paulo.

Em 1977 conclui o 2º ano primário com 8 anos na ESCOLA ESTADUAL DE 1º GRAU PROFº MARIA ROSA BROTA , localizada na Rua Quatro, nº 20 - JD MOREIRA - 1º Del. de Ensino - DRE - 4º Norte - Guarulhos -São Paulo.