segunda-feira, 9 de julho de 2012

COMO SER FELIZ?

 A pergunta pode parecer estranha, mas quem de nós não já a fez pelo menos alguma vez na vida? Há quem procura a felicidade acumulando bens materiais, buscando prazeres sem regra ou ambicionando o poder. Quando esforço é dispendido, a cada dia, por milhões de pessoas no afã de se enriquecer e saborear a vida, sem se preocupar nem um pouco com os outros. A procura desse tipo de felicidade nasce do individualismo de quem pensa só em si mesmo, tornando-se, aos poucos, egoísta. Esse caminho não faz ninguém feliz. Cria apenas uma ânsia de bem estar e acaba por cair no descontentamento e no enfado da vida.

Percebe-se que a felicidade não está em ter, o acumulo de coisas ou até mesmo ter uma conta recheada de dinheiro não vai nos trazer felicidade, já sei muitos vão dizer que sim, mas é uma ilusão, se fosse assim não teríamos noticias de milionários em depressão ou alguns cometendo suicídio.

As bem-aventuranças que Jesus nos ensinou abrem novas perspectivas. Apontam para valores maiores, convergindo para experiências do amor gratuito. Feliz é quem faz o outro feliz. Deus nos ama antes que nós o amemos. Jesus, revelando-nos o amor de Deus, convida-nos a amar gratuitamente e dá-nos a formula da felicidade, exortando-nos a amar como ele ama.

O amor da mãe aos filhos mostra a beleza dessa gratuidade. Antes de a criança ser capas de agradecer, já é amada pelos pais e receber deles todo afeto e dedicação. A mãe é feliz quando vê os filhos crescerem cumprindo seus deveres e desenvolvendo seus talentos.

Esse afeto imita o amor que Deus nos tem e nos faz compreender o segredo da felicidade ao alcance de nossas mãos. Basta experimentar para percebermos como é bom amar de verdade na doação de si mesmo e na promoção do próximo, especialmente dos aflitos e necessitados. Nada realiza mais uma pessoa do que a alegria de fazer alguém reencontrar a paz, a confiança e o sentido da vida.
Jesus Cristo, a nos ensinar o amor do jeito de Deus, transformou o relacionamento humano, vencendo as distâncias, as segregações, a violência e o ódio.
  
O amor é maior do que tudo isso. O bem vence o mal na medida em que vamos multiplicando os gestos de gratuidade, perdoando a que nos ofende e acreditando na fraternidade entre todos. No mundo em que sucedem dramas diários como pessoas que torturam às outras com o desprezo e ódio, precisam de mais amor.

A solução é sempre a mesma, acreditar na força do amor que Deus derrama em nossos corações. A violência terminará, quando formos capazes de amar.

Este é o momento para um bom exame de consciência que nos faça perceber quantas ocasiões temos, a cada dia, de ajudarmos alguém ao nosso lado com pequenos gestos de compreensão, paciência e amor. Quem não gosta de receber uma flor, uma palavra de encorajamento, um olhar de simpatia e bondade?
Na casa do Pai, o amor será perfeito. Enquanto não chegamos lá, podemos sempre praticar atos de gratuidade. São gestos de amor verdadeiro. Quanto mais freqüentes e sinceros forem maior será a alegria dos corações.

Sofrimentos e provações não diminuem nossa alegria profunda, mas, pelo contrario, fazem crescer o amor. Quem tiver dúvidas sobre esse caminho, peça a Deus que lhe dê coragem de fazer a experiência e descobrirá, já nesta vida, o segredo da felicidade!