domingo, 12 de agosto de 2012

IMATERIAL



















É preciso ceder a vida nesse submundo
É preciso ir para onde o ar é banal
E viver uma vida de amabilidades
E misturar-se nas famílias modernas

Imaterial da anormalidade
Do lado de fora da identidade
Imaterial pela anormalidade
Do lado de fora na identidade

Esse limbo não é um lugar
Para tornar-se um número em outro espaço
Em outra multidão
Eu sou uma fronteira sem nome

Imaterial da anormalidade
Do lado de fora da identidade
Imaterial pela anormalidade
Do lado de fora na identidade

Imaterial, serei pior do que eu mesmo
Imaterial, está claro para mim
Imaterial, serei pior do que eu mesmo
Imaterial, está claro para mim
Serei pior do que eu mesmo